Israel Kislansky

“Israel Kislansky está em permanente estado de paixão pela figura humana e pelas cenas do mundo. E isso se traduz numa arte perturbadoramente sensual, se não fosse ele quem é: judeu que teve como cenário de nascimento e infância as doces e plácidas ruas de Salvador. O mundo de Jorge Amado, Caymmi e Iemanjá. O espanto de ser judeu no universo preciso do Brasil mais belo, do Brasil mais negro.”

Marcos Faerman – Jornalista

 

“Poder-se-ia, quem sabe, volver à lição neo-clássica do século passado, não fosse um pormenor: são bem de nosso tempo os corpos de suas mulheres, nos quais jamais se disfarçam os espartilhos das existências urbanas.”


Enio Squeff – Pintor e jornalista

 

“Há cerca de vinte anos, Kislansky se dedica a pesquisa e à criação escultórica, utilizando o processo de cera perdida para fundição em bronze. Nestes anos tem se dedicado a formação de técnicos especializados, arregimentando esforços para aperfeiçoar e qualificar cada etapa do longo processo de trabalho que envolve uma fundição, desde a moldagem em gesso até o acabamento final. Cada obra acabada tem feito de Israel um artista pleno, reconhecível em suas formas monumentais, quase invariavelmente da figuras humana e impecavelmente trabalhadas como nenhum outro artista brasileiro da atualidade.” 


Gilberto Habib de Oliveira – Curador e Especialista em Museologia

 

Israel Kislansky

Nascido na cidade de Salvador, Bahia em 1965 e radicado em São Paulo desde 1983, Israel Kislansky é formado em Artes Visuais pela Faculdade Santa Marcelina, São Paulo, onde estudou com J. A. Van Acker, Rubens Matuck e Iole Di Natale.

Inicialmente trabalhando como pintor, dedica-se a partir de 1990 à escultura, atividades de fomento cultural e projetos educacionais.

Em 1996 inaugura um espaço especializado no ensino de técnicas tradicionais da escultur, como a cerâmica, talha em madeira e pedra, fundição artística, moldagem e modelagem do corpo humano.
Durante 10 anos o atelier promoveu oficinas e palestras sobre escultura por todo o país, desenvolvendo atividades nos principais centros especializados, como a Universidade de São Paulo (USP), Palacete das Artes/Museu Rodin- Bahia, em Salvador, Universidade Federal de Brasília, Embaixadas da Grã Bretanha, Colômbia e Espanha, no Distrito Federal, Universidade Federal do Rio de janeiro, Universidade Guingard em Minas Gerais, entre outras. Entre 2004 e 2006, o atelier produziu uma série de revistas semestrais sobre arte figurativa e técnicas tradicionais.

A partir de 2005 realiza a exposição “Bronzes e Desenhos 2000/2005″, na Pinacoteca Benedito Calixto, em Santos e nos espaços da Caixa Cultural em Salvador e Brasília, respectivamente em 2005, 2007 e 2008. * Link

Em 2011 apresenta na Caixa Cultural da Sé, em São Paulo, a exposição A Cor do Corpo, sobre sua produção em cerâmicas realizadas entre 2007 e 2011. * LInk

Em 2006, publica “Kislansky – o eterno e o moderno”, pela Editora San Floro, com textos de Enio Squeff e fotografias de Edu Simões, onde apresenta seu primeiro registro sobre a fundição artística no Brasil. * Link

Em 2008 propõe ao Senai a criação do CENTRO TÉCNICO EM FUNDIÇÃO ARTÍSTICA SENAI – SP, um projeto de revitalização para o setor de fundição artística do Brasil, e a partir de 2009 passa a coordenar suas atividades. Entre 2008 e 2014, realizou a capacitação de uma equipe técnica baseado na somatória de competências artísticas e tecnológicas, e no desenvolvimento prático de processos metalúrgicos aplicados a fundição de obras de arte em metal. Organiza e executa, sob esta função, o convênio entre o SENAI e a Pinacoteca do Estado de São Paulo, com objetivo de fundir obras pertencentes ao museu e capacitar a equipe técnica do SENAI; viagens técnicas às principais fundições de obras de arte na Europa e cursos na Europa e Brasil de capacitação técnica; produziu e escreveu, pela editora SENAI, o primeiro livro técnico publicado no Brasil sobre fundição artística, FUNDIÇÃO ARTÍSTICA – Informações tecnológicas, (* Link ), finalista do Prêmio Jabutí na categoria Ciência e Tecnologia de 2012; concebeu e organizou a exposição “Fundição Artística no Brasil”, realizada 2012 em São Paulo, e 2013 em Curitiba, PR.

Em 2013 publica o livro “KISLANSKY CERÂMICAS – Argilas do Brasil”, apresentando a produção de cerâmicas e pesquisa sobre as matérias primas. * Link

Em 2015 inaugura a Fundição Artística Kislansky & Stamatis, dedicada a museologia e patrimônio, e executa para cidade de São Paulo, em parceria com a empresa francesa Amarger Company, o estudo preparatório para restauração dos bronzes do Monumento do Ipiranga.